Ciência comprova a existência dos Meridianos

Em muitas culturas, durante séculos, a cura foi alcançada pela energia. Os sábios e curandeiros de várias tradições tinham profunda compreensão do corpo energético. China, Índia, Japão e Tibete, assim como outros países, falavam de canais energéticos, meridianos ou nadis, por onde a energia vital fluía. Para essas culturas, a saúde girava em torno do equilíbrio energético por meio de processos de energia vibracional. A vida era considerada um fenômeno bio-elétrico e existia devido a força e energia que atravessa e anima o corpo, garantindo que ele se mova, respire e digira alimentos, pense e sinta.

A Pesquisa Científica

Segundo pesquisa realizada na Universidade Nacional de Seul os meridianos energéticos existem e se referem a ele como “sistema primo-vascular, confirmando que o sistema é uma parte importante do sistema cardiovascular.

Kim Bong-Han, cientista norte-coreano, propôs a descoberta dos meridianos no início de 1960. Ele mostrou há 56 anos, que as novas estruturas tubulares existiam dentro e fora dos vasos sanguíneos e vasos linfáticos, bem como sobre a superfície dos órgãos internos e sob a derme. Ele acreditava que eles eram os meridianos tradicionais. Os meridianos foram chamados de dutos ou canais Bonghan, após a sua pesquisa, mas agora a existência desse sistema em vários órgãos é corroborada por novas pesquisas.

Os atuais cientistas coreanos acreditam agora que o sistema primo-vascular é o componente físico do Sistema de Meridianos da Acupuntura. Além de estar sendo sugerido que este sistema esteja envolvido na canalização do fluxo energético e da informação transmitida pelos biofótons (ondas eletromagnéticas de luz) e pelo DNA.

Os cientistas coreanos utilizam de métodos biofísicos, onde injetam corante especial, colorindo os meridianos. Ao injetar o corante nos pontos de acupuntura, eles foram capazes de ver as finas linhas. Estas não apareceram em pontos que não eram de acupuntura, onde não havia meridianos. Os pesquisadores descobriram que os meridianos não estão presos à pele, mas são, na realidade, um verdadeiro sistema de condutores, onde o líquido flui, e que este líquido se agrega para formar as células-estaminais.

Em um estudo publicado no Journal of Electron Spectroscopy and Related Phenomena, os pesquisadores usaram tomografia computadorizada por contraste com a radiação incidente em ambos os pontos, os de não-acupuntura e os pontos de acupuntura. As tomografias revelaram distinções claras entre os pontos de não-acupuntura e os pontos de acupuntura das estruturas anatômicas.

Canais Energéticos

Esta força vital ou chi, é composta por dois tipos de forças, yin e yang, e os fluxos ao longo de uma rede de vias energéticas, que formam um circuíto no corpo. Há mais de 2000 anos, as culturas antigas sabiam da existência desses canais energéticos. Eles eram chamados de “sen” na Tailândia, “nadis” na Índia, “meridianos”, “canais” ou “vasos” na China e no Japão, e “canais” no Tibete. Na Índia, onde muitas artes de cura orientais se desenvolveram, afirmava-se que existiam aproximadamente 72 mil nadis ou canais energéticos. Acreditava-se que as doenças eram o resultado de um bloqueio no fluxo energético de um dos canais. Uma série de tradições de cura, incluindo a acupuntura, acupuntura por pressão, massagem e ioga, é alicerçada no princípio da existência de canais energéticos ou vias, conhecidos como meridianos ou nadis, fluindo ao redor do corpo em uma extensa rede.

Os nossos corpos são naturalmente eletromagnéticos e a ciência mediu essas frequências com máquinas avançadas, como ECG e ressonâncias magnéticas, durante muitos anos. Inúmeros estudos comprovam que essas vias energéticas e pontos conduzem a eletricidade mesmo quando as agulhas não estão sendo utilizadas. Um exemplo é a técnica de massagem Shiatsu, a qual gera os mesmos efeitos energéticos, o Qigong, o Tai Chi e as posturas do yoga, aumentam a condução elétrica nos pontos de acupuntura, mas até agora a ciência convencional nunca tinha acreditado na existência dos meridianos.

O sistema de meridianos

Existem 12 meridianos principais emparelhados e dois meio-meridianos individuais, são seis yang e seis yin. Os meridianos yang percorrem o corpo de cima para baixo, e os meridianos yin fluem de baixo para cima. Cada meridiano também está relacionado a um elemento e é mais ativo em um determinado momento do dia ou da noite.

A natureza dos meridianos, na sua estrutura elementar e como vasos para a força da vida, mostram a complexidade e profunda ligação do nosso corpo ao nível celular com o universo. Estamos intimamente ligados pelos elementos, estrutura energética e fluxo de energia, para toda a vida, ao nível celular e físico. Sobre o nosso planeta também é dito que há vias energéticas, as chamadas linhas de Ley, semelhantes aos meridianos.

Na Índia

A medicina tradicional indiana tem como conceito de meridiano um definição ainda mais abrangente. Existem nadis dentro do corpo físico e esses nadis compõem o sistema nervoso, circulatório, digestivo, respiratório e linfático. Qualquer tipo de bloqueio nesses nadis podem resultar em patologias de saúde física. Os nadis também podem ser encontrados no corpo sutil, onde eles transportam pensamentos, sentimentos e impulsos nervosos. Quando eles estão bloqueados, perdemos a nossa capacidade de sentir, de nos conectar profundamente com os outros, com o ambiente e com nós mesmos. Da mesma forma que as veias e artérias são importantes para o corpo para diversas funções, os nadis tecem por meio de nossos nervos físicos e da matriz da Consciência, circuitos da mente e do Eu.

Quando o fluxo de energia está bloqueado, ocorre quebra de energia e surge a doença. Práticas como a yoga e o trabalho de meditação sobre esses canais de energia sutil, apoiam o fluxo energético no corpo. De acordo com alguns antigos textos indianos existem 350 mil nadis ou canais energéticos no corpo. Na medicina tradicional indiana e na ciência espiritual as energias do corpo físico, do corpo subtil e do corpo causal fluem por meio dos nadis. Neste contexto, os nadis conectam-se em pontos de especial intensidade chamados de nadichakras.

Os três nadis mais importantes são aqueles que funcionam ao longo da espinha: ida, pingala e sushumna. O sushumna é o canal central de energia no corpo humano e que vai da base da coluna até o alto da cabeça e que transporta a energia kundalini, que é a força evolutiva primária. A kundalini é despertada por meio da yoga e meditação, e fica na base da coluna vertebral . A ativação da kundalini leva a estados de Consciência mais elevados. O objetivo do yoga é o de ampliar o sushumna e unir as vias. Purificar os três nadis leva à boa saúde e bem-estar geral do corpo e da mente, bem como ao crescimento espiritual. Várias técnicas de Pranayama ajudam a manter estes canais de nadi abertos.

A gama de aplicações para a acupuntura tem crescido lentamente no Ocidente, possivelmente por causa da crença de que não tem nenhuma base científica. Talvez agora, com a prova científica dos meridianos, a acupuntura vai se tornar mais popular para o tratamento de todas as doenças assim como outras terapias energéticas, promovendo a saúde e o bem-estar entre as pessoas.

Fontes:

UpliftConnect
Prisão Planetária
PrepareForChange

Deixe uma resposta